Efeito borboleta: navio cargueiro encalha no Egito e as consequências podem chegar até você

Sabe aquele celular maneiro, aquelas roupas do momento, aquele console ‘bacanudo’ que você adquiriu em um site no Oriente? Eles podem demorar um pouco mais a chegar e nós te contaremos o motivo. Desde a última terça-feira, 23, que a internet está em polvorosa com o fato de o navio cargueiro MV Ever Given, um gigante dos oceanos (400 metros de comprimento e que pesa mais de 200 mil toneladas) ter encalhado no Canal de Suez, no Egito.

Este Canal possui 193 quilômetros de extensão e conecta o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho. É rota estratégica de embarcações que transportam desde simples gatinhos Maneki Neko a toneladas e toneladas de insumos como petróleo, gás natural liquefeito, cimento, alimentos básicos, grãos, cereais etc.

Só para exemplificar a complexidade da coisa, se o timoneiro deixa de passar pelo Canal de Suez, terá de cruzar uma rota com aproximadamente 9.000km a mais para chegar aos mercados europeu e norte-americano, navegando ao redor do Cabo da Boa Esperança para alcançar a Europa ou a costa leste da América do Norte.

A fila, neste caso, não anda (mais de 300 navios estão à espera) e a operação para fazer com que o Ever Given volte a flutuar está mobilizando especialistas e técnicos de todo o mundo. A operação passa pela retirada de areia e lama ao redor do navio para conseguir o desencalhe e também pela retirada de contêineres para reduzir o peso. A mãe natureza também pode ajudar, caso a maré suba e, com mais água, a flutuação seja obtida mais facilmente.

À agência Reuters, o vice-presidente de produtos e operações da consultoria dinamarquesa Sea-Intelligence, Niels Madsen, afirmou que se o Canal de Suez permanecesse bloqueado por mais três ou cinco dias, as consequências globais seriam muito sérias. A declaração foi divulgada na última sexta-feira, 26. Ou seja, o leite pode azedar.

As equipes estão trabalhando dia e noite. Otimistas dizem que o navio pode ‘largar o osso’ neste domingo, 28. Pessimistas, contudo, afirmam que a operação pode durar um pouco mais.

Consequências locais – alô Betim

E por que nós estamos falando disso no Correio de Betim? Simplesmente porque o município, bem como a região metropolitana, conta com grandes Centros de Distribuição de empresas de e-commerce, como a Amazon, B2W, Sequoia entre outras.

Entramos em contato por e-mail com as empresas neste sábado, solicitando um retorno até a próxima segunda-feira, 29, para saber os possíveis impactos na entrega de mercadorias aos consumidores mineiros.

A equipe da B2W já está apurando a informação para dar retorno ao nosso Portal de Notícias e, a ela, agradecemos tamanha agilidade e disposição em prestar esclarecimentos por meio de sua assessoria de Comunicação. Além desta, contatamos também o setor de imprensa da Amazon e da Sequoia, por meio de seus canais institucionais, valendo daquele famoso dito popular à espera de resposta: “aponta pra fé e rema”.

Motivações

No site da empresa japonesa Shoei Kisen Kaisha, proprietária do navio Ever Given, foi publicada uma nota lamentando o ocorrido e dizendo que busca resolver a situação o mais rápido possível. Porém, o rápido, neste caso, leva dias, semanas. Estamos falando de uma embarcação bruta, com centenas de contêineres e a solução não é simples como descascar bananas.

Com ajuda do Google Tradutor, assumimos, a Shoei Kisen informa que o Ever Given passou por clima tempestuoso enquanto atravessava o Canal de Suez. A nota é datada do dia 25 de março, última quarta-feira. A empresa informou, também, que não tinha conhecimento sobre tripulantes feridos ou derramamento de óleo. Ao todo, 25 indianos estavam à bordo do navio.

“Pedimos sinceras desculpas por causar tanta preocupação aos navios no Canal de Suez e aos que tentam passar por ali.”, finaliza a nota.

Operação do navio

Dizem que um raio não cai duas vezes na mesma cabeça. O Ever Given é operado pela companhia taiwanesa Evergreen Marine. Nesta sábado, 27, o jornalista curitibano Dudu Valle publicou em seu perfil do Twitter imagens de câmeras de monitoramento da China, com o acidente de um caminhão da EverGreen, causando outro congestionamento. Desta vez, foi em terra firme (veja abaixo).  A publicação, até o fechamento desta matéria, havia sido compartilhada por mais de 1.900 pessoas.

Canal de Suez

Inaugurado em 1869, é uma das principais artérias econômicas do mundo. Por lá, passam mais de 12% do comércio mundial, segundo dados da Autoridade do Canal de Suez, movimentando bilhões de dólares e euros na economia.

Comente

%d blogueiros gostam disto: